Zen-Budismo e Minimalismo

Zen-Budismo e Minimalismo

Poucos dias atrás, lendo alguns materiais e vídeos sobre a prática do Zen-Budismo cheguei à conclusão que o Zen-Budismo passou de mão em mão com a prática de minimalismo. Isso me fez pensar por um momento.

Conclui que a prática do Zen leva a uma vida minimalista.

Isso ocorre porque a espinha dorsal do budismo é a prática de zazen (meditação) e o estudo do dharma. Para os fins deste post vou concentrar-se no primeiro.

Quando você se senta em zazen diariamente, com disciplina e sem falhas, sofre muitas mudanças. A ciência já provou mais uma vez que a meditação traz uma quantidade enorme de benefícios corpo-mente.

Surge a cada mês um novo estudo sobre isso, porque a neurociência tem vindo a entender melhor a mente humana através de estudos em meditadores.

As mudanças acontecem fisicamente, é claro. Mas o praticante experimenta mudanças em seu comportamento e sua relação com o universo.

Depois de alguns meses praticando zazen percebe-se que é mais difícil ficar com raiva e cair em raiva. Não significa que as coisas perdem importância, você apenas abre a mente para possibilidades mais pacíficas. 

O ego começa a controlar, então o drama não vem com tanta frequência. E embora muito lentamente, torna-se natural, deixa ir coisas, situações e relacionamentos.

Vem de uma necessidade espontânea de compreender os outros, ouvir e ajudar; ou seja, o praticante torna-se mais paciente, compreensivo e compassivo.

Aí vem o mais interessante: a prática do zazen traz como resultados menos apego material e físico.

De imediato sua mente começa a deixa de juntar coisas que antes eram interessantes. Acumular livros, revistas, roupas, decoração e tudo o que foi importante, começa a perder relevância.

Doar, eliminar ou reciclar objetos que antes eram sagrados, torna-se parte do cotidiano.

O praticante Zen não precisa de distrações materiais e mentais, porque você está feliz com o que está aqui e agora.

O praticante não se torna nenhum bicho estranho e começa a viver em uma caverna na floresta. Isso não significa ser insensível. Não. É só uma busca pessoal que está focada no interior, não em posses.

Minimalismo vem gradualmente, naturalmente.

Outro ponto a esclarecer é que você não tem que ser budista para se tornar minimalista (eu não sou). Nem tem que ser um praticante com anos de experiência. Não importa a filosofia ou religião. O que importa é que esteja ciente de entender que a alma do minimalismo é prestar atenção a isso.

Zazen nos une ao silêncio dentro e por fora.

Parece loucura? É.

Mas não acredite em mim, eu não sou ninguém. 

Experiência. Meditar. Hoje.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Aproveite mais conteúdo

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Malabarista por diversão e violinista aprendiz.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.