Por que não posso destralhar? (e como quebrar o impasse.)

no posso detralhar

A estrada para o inferno está cheia de boas intenções.

Falamos sobre a estrada em direção a um espaço sufocante e caótico?

Para muitos, o destralhe continua a ser um “Eu iria, mas eu não posso.”

Em uma suposição, pelo menos 80% das pessoas que pesquisam sobre destralhe – e em geral à “simplificação” da vida doméstica – estão no início entusiasmadas, e depois de um primeiro progresso superficial, elas se encontram desanimadas.

Muitas vezes, nós não temos mesmo os primeiros resultados, porque quando é hora de agir, simplesmente surgem as desculpas mais comuns:

  • Estou sem tempo.
  • Não sei por onde começar.
  • Não sei como descartar o material.

A verdadeira razão para o bloqueio é pouco visível, mas é muito simples: dentro de nós existe um conflito de necessidades.

A razão pela qual estamos atraídos pelo destralhe é que uma parte de nós quer satisfazer determinadas necessidades, tais como:

  • Encontrar coisas quando precisamos delas,
  • Sentir que podemos mover e pensar livremente,
  • Ter espaço para realizar uma atividade,
  • Evitar o desperdício que pesa sobre as nossas finanças.

Já a outra parte criar um fator “SAVE” que está perseguindo necessidades muito diferentes, por exemplo:

  • Exorcizar o medo de privação,
  • Eliminar uma sensação de vazio,
  • Criar em torno de uma barreira protetora contra o mundo exterior que vemos como perigoso e hostil.

Se livrar da acumulação não é difícil uma vez que você entra na ordem correta das ideias.

Qual é a ordem correta das ideias?

Simples: o destralhe não é sobre os objetos, é sobre a sua pessoa.

Não é uma casa que se aproxima. É a procura da alma e crescimento pessoal.

Meu conselho: Esqueça truques e pílulas zen – que são também desorganização – e concentre-se em explorar as verdadeiras razões para o seu comportamento.

Não o faça com a ideia de “resolver o problema”, mas para conhecê-lo melhor, ver o que vem de fora, com atitude exploratória.

Pare de pensar em termos de “a casa está uma bagunça e tenho que fazer alguma coisa”, e comece a pensar em termos de “a casa reflete a dinâmica interna que está a criar desconforto em mim, como eu posso usar essa correspondência para melhorar a mim mesmo e gerar bem-estar?”

Aqui está um exercício simples que pode te ajudar.

1 – Escolha 7-8 itens “importantes” que você se importa, mesmo que você não use.  (E se você tentar fazer uma lista completa, você pode achar que eles são muito mais do que pensava!).

2 – Responda por escrito a estas perguntas para cada um dos objetos selecionados:

  • Porque o adquiri, ou deixei que entrasse em casa?
  • Porque eu o mantenho?
  • O que sinto com a ideia de deixá-lo ir para sempre?
  • De que forma o valor da minha pessoa é manifestado aos outros, mesmo sem a presença do objeto?

O melhor ponto de partida para fazer progressos reais com o destralhe não é um método prático e muito menos a aquisição de outros objetos “inteligentes”.

É aumentar a nossa compreensão dos processos psicológicos no trabalho dentro de nós.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Aproveite mais conteúdo

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Siga me:

Ebook: Potencial de uma vida minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Ebook

Te enviaremos um e-mail de confirmação.