Como faço para me tornar um minimalista sendo um jovem inexperiente?

Como faço para me tornar um minimalista sendo um jovem inexperiente?

A história que vou contar é para ajudar os jovens que fazem 18 anos, arrumam um emprego e inconscientemente saem comprando tudo o que veem por aí ( já fui assim).

É uma história baseada em uma imaginação pessoal de como seria se eu fosse um jovem menos experiente que hoje que aderiu ao minimalismo ( não é uma história real).

Eu não desisti de um emprego com salário de 6 dígitos. Eu não me mudei de um condomínio luxuoso ou para uma aldeia na montanha sem eletricidade (embora minha família realmente fez isso quando eu tinha três semanas de vida.)

Eu não joguei tudo, exceto uma mochila. Eu não sou da galera do ZERO resíduos ou da localização independente ou, infelizmente, não sou um blogger em tempo integral.

Da mesma forma, eu não comecei com centenas de milhares de itens, montantes enormes de (ou qualquer) dívida, ou um trabalho corporativo esmagador de alma.

Eu não fui criado para consumir inutilmente – durante toda a minha infância, minha família se mudou muito, então eu possuía pouco. Isso é algo que sempre serei grato; É a melhor maneira de crescer.

Então algo deu errado quando eu comecei a ter meu próprio dinheiro, tudo mudou. Eu tinha um trabalho no qual era bem remunerado, mesmo trabalhando poucas horas.

Infelizmente, cada centavo foi em compras inconscientes, por tédio, infelicidade, incerteza e para ter status. Tornei-me um consumista total.

Havia duas razões principais para isso que são universais para a maioria das pessoas: eu comprei muito e joguei fora pouco. Tudo foi mantido apenas no caso. Havia sempre mais para comprar.

Eu odiava sem nem perceber.

Meu quarto era um ambiente estressante, não um calmo como deveria ser. Eu evitava ficar dentro dele durante o dia e às vezes eu até dormia em um quarto diferente em minha casa para evitar a bagunça.

Então, um dia, eu descobri o conceito de minimalismo. A epifania de que as minhas coisas estavam me fazendo miserável.

Sentei no chão do meu quarto, durante alguns dias e fiz uma lista do que ia manter, foi uma mudança radical da minha vida normal.

Este é o oposto do processo habitual de destralhe que tende a girar em torno do que descartar, e não o que reter. Mas funcionou, e com uma lista completa mudou tudo. Anotei o que era necessário.

O sentimentalismo, o custo e a procedência foram ignorados, assim como as normas sociais. Decidir o que jogar seria impossível, mas eu sabia o que eu queria manter.

O processo de destralhe começou. Foi demorado, emocional e muitas vezes frustrante. Quanto mais eu jogava, mais parecia haver.

Por semanas eu doei ou joguei sacos e sacos todos os dias. Mesmo assim, demorou um pouco antes de fazer a diferença.

Cada nova categoria de pertences trazia desafios novos e confusos. Cada área do meu quarto revelava pilhas de itens acumulados de origem desconhecida.

Depois de alguns meses, encontrei- me com menos de um quarto das posses com as quais comecei. Somente os itens listados permaneceram.

À medida que minhas coisas diminuíam, tudo se expandia . Eu me senti mais feliz e as coisas boas começaram a acontecer pela primeira vez em anos.

Minha depressão entrou em remissão. Eu fiz amizade com novas pessoas e estava presente o suficiente para me conectar com eles. Arrumei um relacionamento amoroso, foi uma reviravolta na vida.

Tornar-se um minimalista foi uma das melhores decisões que eu fiz – mudou tudo. Agora eu possuo apenas os fundamentos básicos. Eu ainda me revejo em uma base semanal e sempre descubro algo que eu realmente não preciso.

Então, como eu consegui fazer essa mudança sendo um jovem? Aqui está o que me ajudou e o que poderia ser útil se você também está fazendo a transição para um estilo de vida minimalista.

Eu planejei com cuidado antes de começar.

Além de listar os itens mais importantes para guardar, eu considerei por que eu queria fazer essa mudança.

Minhas razões eram (e ainda são) simples; Eu queria reduzir meu impacto no meio ambiente, eu queria gastar menos tempo arrumando e queria ser capaz de viajar sem me preocupar com a embalagem.

Eu reconheci que este era um processo pessoal.

Cada vez que eu limpo uma área, o faço sozinho e evito comparanção com os outros. Só porque alguns minimalistas conseguem colocar todas as suas coisas em uma única mochila, não significa que eu preciso.

Meu próprio objetivo era parar de fazer novas compras e descartar itens utilizáveis ​​e necessários teria sido conflitante.

Eu sei que as pessoas que não se identificam como minimalistas ainda possuem menos do que eu, mesmo agora. Está tudo bem.

Eu deixo de lado sentimentalismo e culpa.

As memórias são armazenadas em sua mente, ao invés de objetos físicos . Descartá-los não o fará esquecer automaticamente as memórias que desencadeiam.

Eu tomei o processo lentamente.

Durante várias semanas, coloquei uma pequena área – uma gaveta, uma prateleira, uma caixa para limpar. Eu tinha um monte de lixo, muito imbuído de peso emocional.

Destralhar em um ritmo lento também garantiu que fosse feito conscientemente, certificando-me que eu não iria me arrepender ou precisar substituir. Eu acho que é por isso que eu achei tão benéfico,

Esses são os quatro fatores simples que me ajudaram a destralhar meus pertences, livres de pressão ou estresse.

No dias atuais eu não me sinto abatido e estressado com a quantidade de coisas que possuo, pois agora são coisas adquiridas de forma consciente.

Acredito que as pessoas e as coisas em nossas vidas devem agregar valor (de uma forma ou de outra) e não diminuí-la. Se algo/alguém faz mais mal do que bem para você, você provavelmente não precisa/quer.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Aproveite mais conteúdo

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Malabarista por diversão e violinista aprendiz.