Minimalismo é natural aos seres humanos

Minimalismo é natural aos seres humanos

Por algum tempo eu tenho lido bastante sobre psicologia evolutiva (EP), que estuda as mudanças em nosso comportamento derivadas pela evolução e seleção natural.

Não importa quão duramente tentamos pensar que somos os “reis da criação”, no final, somos apenas outro animal no mundo. Nós não somos diferentes de qualquer outro mamífero.

Nossas reações, pensamentos e emoções estão lá como resultado de milhões de anos de mudança gradual. Elas são gravadas em nosso DNA e governam o nosso comportamento atual, apesar de estar no ponto mais alto de tecnologia e desenvolvimento.

Acho fascinante porque ele anda de mãos dadas com as ideias centrais do Zen Budismo.

Parte do objeto de estudo da PE é analisar como a cultura de caçadores-coletores que ainda habitam o planeta (os índios se encaixam neste contexto), e porque eles são a coisa mais próxima que temos dos primeiros seres humanos.

Eles são pessoas que vivem nas profundezas das florestas ou planícies e não aderiram à civilização consumidora. Subsistindo seus valores, crenças e costumes.

Eles não têm necessidade de se juntar ao mundo moderno, porque seu ecossistema dá-lhes tudo o que precisam.

Há muitos fatos interessantes sobre essa cultura. Por exemplo, não tem alimento industrial, portanto, não há a obesidade ou doenças como o cancro ou diabetes.

Eles também não sabem o que é demência, autismo ou transtorno de déficit de atenção. Não necessitam de vacinas. Eles não têm empregos em escritório, carros e centros comerciais; de forma que nenhum estresse ou doenças nervosas.

Eles não estão conectados, ou seja, o contato é cara a cara. O conceito de sexismo, machismo ou feminismo não existe, só existe a justiça e trabalho em equipe.

O sol nasce e acordam para ir obter comida para o dia. Eles dedicam muito tempo à espiritualidade e ao desenvolvimento de costumes e rituais em grupo.

Eles vivem em perfeita comunhão com a Terra.

Cada um desses fatores é digno de estudo. Mas isso é importante para destacar o fato de que apenas pegam o que precisam.

Aborígines australianos ou os Yanomami na América do Sul não acumulam livros, música ou decorações. Eles não sentem apego às coisas materiais, porque nem sequer têm onde armazenar a quantidade de lixo que acumulam.

Eles não têm uma casa enorme para limpar. Nem pensar em pagar um seguro ou cartão de crédito. Eles não se preocupam com o guarda-roupa. Eles não compram aplicativos.

Eles não acumulam riqueza, porque eles entendem que isso é apenas uma ilusão e que não é necessário para a vida.

Esta sociedade tem apenas o que eles podem transportar em suas mãos ou em uma bolsa feita por si.

E, de acordo com estudos como este na Vrije Universiteit (Bruxelas), sabemos que caçadores-coletores são pessoas felizes. Além disso, aqueles que têm tentado integrar as grandes cidades acabam por ficar doentes, com alguma doença nervosa ou diabetes.

É claro que eu nunca iria propor uma inversão da civilização, não. Nem dizer que viver como homem das cavernas é o melhor.

A humanidade tem tocado níveis surpreendentes de progresso e se conseguirmos que a ciência e a cultura sejam livres para todos, chegaremos muito mais longe do que imaginávamos.

Então, voltar à vida primitiva é impensável.

Mas temos de encontrar um equilíbrio entre o que temos e o que somos por dentro. Nós precisamos assumir o controle sobre o consumismo excessivo e olhar para dentro de nós.

Precisamos de menos carros e mais meditação. Precisamos de menos coleções e mais generosidade. Para ser feliz, devemos nos libertar do jugo de acessórios, para ajudar outros a ter sucesso.

Em tempos de orgias de individualidade, olhar para as sociedades de caçadores-coletores pode nos ajudar a tomar o controle do caos interno.

Minimalismo é natural ao ser humano. É parte da nossa identidade como uma espécie.

Então, por que nós nos esforçamos para negar minimalismo?

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Mais lidos no Minimus Life

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Siga me:

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.