O medo de ser julgado, de não ser aceito

O medo de ser julgado, de não ser aceito

O medo de ser julgado pelos outros está em nosso DNA. Neste artigo você vai entender os mecanismos e encontrar dicas práticas para se livrar de uma vez por todas desse medo.

O livro “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas“, de Dale Carnegie é um dos mais vendidos nos últimos 100 anos de manuais de crescimento pessoal (15 milhões de cópias).

Este bestseller também foi meu primeiro livro de desenvolvimento pessoal: se eu não tivesse lido hoje provavelmente não existiria de forma eficaz.

Por que este título tem tido todo esse sucesso e continua a subir nas paradas em mais de 75 anos após a sua publicação?

Ser amado e aceito por aqueles que nos rodeiam é uma das nossas necessidades humanas básicas: na famosa pirâmide de Maslow , a necessidade de pertencer ainda ocupa a terceira etapa, depois da necessidade de segurança (saúde, trabalho, etc.).

Esta necessidade é tão importante que um dos medos mais comuns é o medo de ser julgado por outros.

O medo de não ser aceito por causa da nossa aparência física, nossas origens, o nosso nível de educação, do nosso trabalho, da nossa idade, etc.

Cada um de nós tem medo de ser julgado em um aspecto em detrimento de outro, mas por trás de tudo há o medo da humilhação, exclusão do grupo, a marginalização.

Este medo, comum a quase todos, em alguns podem até se transformar em fobia, fobia social.

Neste artigo eu quero falar do medo comum de ser submetido ao julgamento dos outros:

  1. Qual é a sua origem (o primeiro passo para superar o medo é conhecê-la).
  2. Por que você tem que liberar o mais cedo possível (ou, pelo menos, você tem que aprender a mantê-lo na baía).
  3. Como você pode se livrar dele.

1. O medo de ser julgado pelos outros

Mesmo antes de Maslow, o antigo filósofo grego Aristóteles afirmou que… o homem é um animal social, que, por sua natureza, tende a se reunir com outros indivíduos e formar-se na sociedade.

As razões para esta “pressão social” que tem caracterizado a história da humanidade há milhares de anos podem ser encontradas em nosso processo evolutivo.

De acordo com os princípios da psicologia evolutiva, nossos medos (e, em geral, as nossas emoções) são nada mais que as respostas que o nosso cérebro desenvolveu ao longo de milhares de anos para se adaptar ao ambiente circundante.

No Paleolítico os grupo de caçadores e coletores tinham uma chance muito maior de sobrevivência do que os “lobos solitários”.

Só graças à especialização dos indivíduos, e sua coordenação, um grupo de humanos poderia ter uma chance razoável de sobreviver em um ambiente hostil, em que caçavam para se alimentar e enquanto eles estavam tentando não ser caçados para alimentar os outros predadores.

Neste contexto, havia aquele que arriscava a segurança do grupo e acabava sendo excluído, e isso muitas vezes resultava em morte precoce.

Nossos ancestrais, portanto, tinham medo de ser mal interpretados por outros membros do grupo: Isso pode acontecer se você não está fazendo o seu dever durante a caça, se você foi contra as convenções sociais ou se falou em nítido contraste com o líder.

Neste contexto desenvolveu um outro fato também nosso medo ancestral: o medo de falar em público.

2. Compreender a importância de se livrar

Hoje podemos e devemos nos libertar do medo constante do julgamento dos outros. Claro, ganhar aceitação permanece uma necessidade para nós, mas vai além da nossa sobrevivência: alguém julga que você fez escolhas ruins e o que você diz?

Não podemos enfrentar os desafios de uma sociedade moderna, dando espaço para medos ancestrais de dezenas de milhares de anos: é hora de evoluir.

Não só. Neste momento, continuar temendo o julgamento dos outros pode se tornar ainda mais perigoso do que aceitar as consequências de não ser aceito.

3. Saiba como parar de se sentir julgado

Muitas vezes nós projetamos para os outros o que está acontecendo em nossa mente: a verdade é que a grande maioria das pessoas se preocupa com a felicidade de nossas escolhas, como nos vestimos e como nos comportamos.

Sabe por que essas pessoas não têm tempo em suas mãos? Porque, por sua vez, são também tomadas pelo medo de ser julgadas!

Sim, claro, sempre que você se encontra o clássico “Zebedee triturador Mundial”, que passa os dias a julgar as escolhas dos outros, mas você sabe o que dizem… “Quem passa o julgamento não define os outros, mas a si mesmo.”

Este último ponto é essencial para realmente se livrar do medo do julgamento dos outros, e para recuperar a auto-confiança.

Nossas palavras devem seguir os nossos pensamentos e nossas ações devem seguir nossas palavras.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Mais lidos no Minimus Life

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Siga me:

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.