É hora de deixar ir

É hora de deixar ir

O minimalismo é uma jornada. E não se trata apenas de livrar-se de objetos físicos e relacionamentos. Trata-se de se livrar das expectativas, da pressão e da desordem mental.

É hora de deixar ir

O apego às pessoas ou às coisas nos fornece vínculos afetivos, de segurança e de pertença.

Ter apego aos nossos entes queridos, nosso cão, nossa casa ou nosso carro é um sentimento lógico, humano e louvável.

Dizem, pelo contrário, que alguém está “separado” , quando, aparentemente, tem poucos laços afetivos, está separado, parece se apegar a nada e dá pouco valor às suas coisas.

Os budistas exaltam o “desapego” como a única maneira de encontrar a felicidade. A chave para eles é transformar o egoísmo em desinteresse.  Compreender por desinteresse, ser generoso, compartilhar e aceitar os fatos à medida que surgem.

Se considerarmos que nada e ninguém nos pertence, evitamos o medo de perdê-los e, se isso acontecer, aceitamos isso como algo natural, intrínseco ao fluxo da vida.

Eles dizem: “Se você ama algo, deixe-o livre, se ele voltar para você, é porque sempre foi seu e se não retorna, é porque nunca foi” .

Em nossa cultura ocidental, o apego é parte de nossa maneira de entender a vida e achamos quase impossível imaginá-la de qualquer outra forma.

O ruim é quando esses apegos nos impedem de avançar. Vivendo com memórias, anseio por outras vezes, acumulando objetos, mantendo relacionamentos conflitantes, nos unindo e nos tornando incapazes de desfrutar plenamente do presente e nos projetar para o futuro.

Deixar ir um pouco, soltar balas, caminhar com bagagem mais leve, fisicamente e emocionalmente, nos ajuda a levantar o voo, iniciar novos projetos, tornar-nos mais livres para tomar decisões.

Então, como eu sei quando é hora de deixar ir?

Analise seus apegos físicos e mentais e elimine aqueles que não agregam valor ou tornam-se tóxicos:

Livrar-se de coisas que não servem mais mais.  Só preserve aquelas que realmente têm um valor sentimental para você. Certifique-se de que são poucas.

Um sentimento para alguém, ou uma lembrança de um momento ou de uma jornada, você pode se concentrar em um objeto e não distribuí-lo entre uma dúzia.

Reparar, pintar e reabilitar sua casa. Se você herda alguma coisa, respeite sua origem, mas adapte-a às suas necessidades. Coisas e casas são para desfrutar, usar e viver. Não o faça em um mausoléu.

Evite manter relacionamentos tempestuosos, com altos e baixos, grandes paixões e ótimos dramas. Analise se é um vício viciante e, portanto, tóxico . Solte o balastro, solte-o.

É um desafio, manter o que realmente importa e soltar o resto.

Apegar-se a coisas ou relacionamentos bloqueia o fluxo da vida, isso nos afeta mental e emocionalmente. Nós pensamos que estamos ganhando segurança e controle quando estamos realmente sendo pesados.

É difícil ser no momento, na vida, quando estamos cercados por coisas que nos estão pesando.

Deixar ir é deixar a vida.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Aproveite mais conteúdo

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Malabarista por diversão e violinista aprendiz.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.