Como evitar presentes indesejados sem ofender ninguém

Como evitar presentes indesejados sem ofender ninguém

Quantas vezes você já passou por isso? Alguém lhe dá um presente para atender a um costume… e você não gosta do que recebeu? Ou, você realmente gosta, mas você nunca vai ter tempo e oportunidade para usá-lo?

Não podemos fazer algo para evitá-lo, e talvez nutrir a relação melhor?

Sim, nós podemos, mas primeiro você precisa entender bem a situação.

Dê presentes, bem como gestos recíprocos, favores, ou demonstrações simples de carinho e boa vontade, é um hábito em si saudável e natural.

A razão pela qual é tão arraigado em nós é que, por milênios, revelou-se eficaz na promoção de relações interpessoais mais produtivas e satisfatórias.

Portanto, a generosidade, gratidão e reciprocidade são as nossas virtudes morais: o instinto do presente em si é saudável e civilizado.

Mas, no contexto de uma sociedade em que, paradoxalmente, é a mais rica na história da humanidade e, ao mesmo tempo, assaltada por mil incertezas sobre o nosso futuro econômico.

A ideia básica deste blog é que ter muitas coisas pode nos fazer infelizes, quase tanto como ter muito poucas. E quando esse excesso se misturar nas relações com as pessoas mais queridas, só pode haver desconforto e frustração.

As férias devem ser ocasiões de alegria e partilha; a dinâmica econômica de hoje muitas vezes leva a oportunidade de um desperdício, incômodo, estresse econômico e emocional.

Solução: dar um passo para trás e voltar ao que era o objetivo original do instinto.

O que realmente queremos dar e receber, o que fazer quando receber um presente?

Basicamente, queremos fortalecer um relacionamento com um gesto que diz:

– Eu quero que você sinta prazer e satisfação; estou disposto a dar algo para você.

E talvez até mesmo,

– Eu te conheço bem e sei como gerar para você prazer e satisfação; Eu sei o que você precisa.

Este é o propósito do presente.

É o que nós gostaríamos de ouvir, e é isso que nós gostaríamos de expressar quando fazemos um dom sincero.

Sem este espírito básico, o presente é um gesto menos significativo e pessoal, de respeito, desejo de manter relações cordiais, ou até mesmo adquirir um crédito de atenção e boa vontade no destino.

Por que estou dizendo tudo isso?

Porque quando você tomar plena consciência do valor e do significado de presentes, você não se sentirá desconfortável em fazer o que eu vou aconselhá-lo a fazer.

O que fazer para desencorajar as pessoas a dar presentes caros e indesejáveis:

Você deve pedir e receber

Dizer exatamente o que se quer receber.

Você não vai ter o elemento surpresa que deve provar o quão bem você conhece a pessoa e vice versa, mas pelo menos você tem certeza do que é útil e aceitável. Além disso, incentiva seus entes queridos à fazer o mesmo com você.

Para os mais “distraídos”, você também pode optar por uma referência explícita, com uma conversa franca e amigável.

Os tempos são difíceis, e hoje mais do que nunca, o bem mais valioso é a relação de confiança, lealdade e apoio mútuo. Isto é o que devemos cultivar, e não “executar a economia.”

O destralhe eficaz é uma questão de adaptação e orientação para resultados: fazer o que faz a vida mais fácil e mais rica.

Obtenha o E-book: Potencial de uma vida Minimalista

Com sugestões práticas e encorajamento para personalizar seu próprio estilo minimalista, minimizar as posses é a melhor maneira de maximizar a vida.

Obrigado por se inscrever. Te enviamos um e-mail para baixar o e-book.

Algo deu errado.

Aproveite mais conteúdo

Bruno de Souza

Meu objetivo é te ajudar a viver mais com menos. Malabarista por diversão e violinista aprendiz.